Ouça nosso boletim

O desafio da profissão de professor.

Elias Januário


A profissão de professor requer constantes desafios ao longo de sua carreira, que vão desde a luta por condições dignas de trabalho e salário, até pela necessidade de manter-se atualizado acerca das novas práticas pedagógicas e metodologias de ensino que são desenvolvidas nas diferentes áreas do conhecimento. As instituições de ensino sofrem de um mal que vai de um extremo ao outro, qual seja, em alguns momentos são incapazes de colocarem em prática concepções e ações inovadoras e por outro lado se fecham em si mesmas não possibilitando que os docentes tenham acesso às inovações, ficando mergulhados num passado tradicionalista e cercado de conceitos e preconceitos que já não procedem mais.
A ausência de um equilíbrio entre tradição e inovação acaba levando a escola e consequentemente os professores a uma prática escolar reprodutivista ou de mero modismo. É preciso que haja discussões e problematizações acerca das inovações pedagógicas, como uma das formas de se evitar a tentação do modismo. Deve-se estar aberto à novidade, na perspectiva da análise individual e coletiva das práticas a serem implementadas. A formação continuada está entre os grandes desafios do professor. O aprender contínuo é fundamental nessa profissão. E deve ser realizado numa perspectiva pessoal e também numa ação da instituição formadora, isto é, a escola deve estar também em processo de formação continuada, de crescimento e atualização de suas práticas e métodos de ensino-aprendizagem.
No processo de formação continuada, apenas ler sobre novas teorias não é o suficiente, é preciso que haja também uma prática reflexiva, que haja a produção de conhecimento a partir do que esta sendo apreendido. Somente uma reflexão sistemática e continuada possibilita a ação transformadora da prática. É importante percebermos que a formação depende do trabalho de cada um, de cada indivíduo. Também que todo conhecimento é autoconhecimento e toda formação é auto formação, como nos diz Antônio Nóvoa. Por isso, a prática pedagógica inclui o indivíduo com suas singularidades e afetos. A Escola deve ser entendida e vista pelo professor como um espaço onde se ensina e também se aprende. E isso acontece de maneira mais consistente quando é feito, é partilhado com um grupo. Esse esforço coletivo de encontrar respostas para os problemas educativos é que faz avançar nas ações de formação continuada.
As condições estruturais de infraestrutura são imprescindíveis para que se assegure a realização das reuniões, dos estudos, do material didático, dos laboratórios, equipamentos. Sem isso também fica difícil avançar nas ações educativas de produção do conhecimento. É preciso propiciar condições para que as pessoas se reúnam e desenvolvam o hábito de trabalhar em grupo, o que é pouco usual em nosso sistema de ensino, que historicamente prima pelo trabalho individual e isolado. Será por meio do desenvolvimento de grupos de estudos e pesquisa, que gradativamente se estará consolidando a prática da formação continuada entre os professores do sistema de ensino público, particularmente da educação fundamental. A formação é algo que pertence ao próprio sujeito e está inserida no processo de todo educador, o que precisamos é buscar colar em prática cada vez mais esse direito de cidadania, fazendo com que a educação em nosso país seja constantemente repensada.


Gazeta de Cuiabá, 26/03/2010 - Cuiabá MT

	Array
(
    [0] => No page with id root
)