Ouça nosso boletim

Iniciativa privada e educação

Não restam dúvidas quanto ao fato de que o poder estatal deve ser o responsável pela oferta da educação. A Constituição Federal em seu art. 205 vaticina ser a “educação, direito de todos e dever do Estado”. Então, o Estado precisa fornecê-la. Contudo, isto não significa que só o Estado deve prover educação. A iniciativa privada tem o seu papel, inclusive em razão de que nem sempre o estado – em razão de diversos motivos, entre eles, o fiscal – tem condições de prover educação de qualidade para todos. É o que estipula o art. 209 também da Constituição Federal quando frisa que “o ensino é livre à iniciativa privada...”.
Diante da limitação fiscal, surge a indagação, que é eterna: em qual nível educacional o estado deve priorizar o investimento? Ensino básico, ensino médio ou ensino superior? Ou o Estado deve ser responsabilizado por todos os níveis? Acho que não. Basta analisarmos o disciplinado no artigo 208 da Constituição Federal , que chegamos à conclusão de que o Estado deve priorizar a educação básica, deixando a superior para a iniciativa privada. Priorizar a educação básica representa a criação da igualdade de condições. E, por consequência, o surgimento da igualdade de oportunidades. Indivíduos com condições de aprendizados semelhantes poderão estar com aptidões similares no futuro. Neste sentido, a desigualdade social tende a não ser exacerbada. Por outro lado, oportuno enfatizar que também existe um componente moral. O Estado, considerando a definição de Estado moderno de Max Weber, deve ser imparcial e impessoal. Este é o tipo ideal do Estado weberiano. Portanto, o Estado deve ser instrumento para reduzir a desigualdade entre os indivíduos. Considerando que a educação é ferramenta eficiente na amenização das desigualdades sociais, o Estado deve optar, portanto, por oferecer educação básica de qualidade a todos.
No entanto, faz-se necessário ao Estado definir prioridades, pois a sua condição fiscal não lhe permita investir adequadamente em todos os níveis educacionais. É diante desta questão que surge a necessidade da iniciativa privada ofertar educação, principalmente a superior. Os participantes do World Innovation Summit for Education (Wise) – encontro ocorrido em Dohar, no Qatar, no mês de novembro deste ano, que reuniu especialistas em educação de mais de 120 países – concluíram que o setor público deve empreender esforços com o objetivo de oferecer mais recursos para a educação. No entanto, eles concluíram também que a melhoria educacional da população requer ação ativa da iniciativa privada (Folha de São Paulo, 24/11/2009). Ou seja, como a educação consiste num instrumento prioritário para o desenvolvimento das nações, os estados não podem prescindir da iniciativa privada para ofertá-la.
Por outro lado, em recente evento realizado em São Paulo, o presidente Lula reconheceu a importância da iniciativa privada no desenvolvimento brasileiro. Para se ter uma ideia da importância do setor privado, este é responsável por 54% dos investimentos em educação de nível superior nos Estados Unidos. Segundo o Ministério da Educação do Brasil, o setor privado no ano de 2007 representava 47,5% das universidades no país, 92,5% das faculdades e 96,7% dos centros universitários.


JANGUIÊ DINIZ

Gazeta de Alagoas, 02/12/2009 - Maceió AL

	Array
(
    [0] => No page with id root
)