Ouça nosso boletim

Bons professores são o direito mais importante para assegurar educação, aponta pesquisa

Na avaliação de um entre quatro brasileiros, o direito mais importante para assegurar a educação à população brasileira é ter professores competentes e motivados. O dado é da pesquisa A participação dos pais na Educação dos filhos, encomendada pelo movimento Todos Pela Educação e Fundação SM, realizada pelo Ibope e divulgada nesta quarta-feira (11/11). O estudo revela ainda que, para 20% dos entrevistados, o mais relevante é encontrar vaga na creche, pré-escola, ensino fundamental ou ensino médio. A terceira posição ficou para o reforço escolar ao longo do ano caso aluno tenha alguma dificuldade, com média de 13% das respostas. Foram ouvidas 1.350 homens e mulheres entre 16 e 69 anos, das regiões metropolitanas da Bahia, Ceará, Pernambuco, Distrito Federal, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. No interior, participam da amostra municípios com mais de 50 mil habitantes das mesmas unidades da federação.
Segundo os pesquisadores, os resultados podem refletir anseio por algo que ainda não foi conquistado. O aprendizado, porém, não é citado pelas pessoas que responderam ao questionário.  A Meta 3 do movimento Todos Pela Educação, revela que apenas 27,9% dos alunos da 4ª série do ensino fundamental têm conhecimentos adequados à sua série em língua portuguesa. Na 8ª série, a porcentagem é mais baixa: 20,5%. No 3º ano do ensino médio, a taxa é de 24,5%. Em matemática, os percentuais são piores: 23,7%, 14,3% e 9,8%, respectivamente.
No ranking das instituições e pessoas capazes de melhorar a educação, o Ministério da Educação aparece em primeiro lugar, com 40% das opiniões. Secretaria municipal de educação, diretoria e a escola e pais dos alunos ficaram praticamente empatados na segunda posição, com média de 12% dos votos. Posteriormente, aparecem os professores da escola e a secretaria estadual de educação (média de 8%). Para 4% dos entrevistados, os alunos podem mudar esse cenário. Organizações não-governamentais, igrejas e empresas aparecem em último plano.
Acompanhamento dos estudos - Em geral, o cuidado dos pais com a educação dos filhos é significativo, de acordo com a pesquisa. O  acompanhamento e rigor com estudos são itens levados a sério pelos pais. Mais de 80% deles declaram sempre estar atentos para que não haja faltas ou atrasos dos filhos. A maioria também diz acompanhar sempre as notas dos herdeiros. O estudo mostra que é menos frequente a determinação de horários de estudos. Pouco mais de 50% dos pais afirmam sempre estabelecer esses períodos e respeitá-los.
A incapacidade de entender o que os professores ensinam e o próprio interesse dos filhos em aprender estão entre as dificuldades dos filhos com os estudos apontadas pelos pais. No entanto, nenhuma delas recebe um percentual expressivo nos pontos mais críticos da escala de recorrência. Muitos pais alegam dificuldade em acompanhar a educação dos filhos por falta de tempo para ir à escola e despreparo para ajudar os filhos quando surgem dúvidas sobre os conteúdos. Apesar disso, os pais não atribuem à escola nem aos profissionais de educação as deficiências enfrentadas. Eles admitem que as dificuldades partem de si mesmos e dos filhos do que dos discentes e da estrutura em geral.

Correio Braziliense, 11/11/2009 - Brasília DF

	Array
(
    [0] => No page with id root
)