Ouça nosso boletim

Boletim do SINEPE/NOPR –21 de fevereiro de 2017.

Boletim do SINEPE/NOPR –21 de fevereiro de 2017.

 

ProUni

Os candidatos que se inscreveram no Programa Universidade para Todos (ProUni) neste primeiro semestre já podem consultar os resultados da segunda chamada. A lista dos pré-selecionados foi publicada ontem na página do programa na internet. Os estudantes têm até sexta-feira, 24, para comprovar as informações prestadas durante a inscrição.

 

Comprovantes

Para concluir o processo de seleção, o candidato a bolsa de estudos deve apresentar, na instituição para a qual foi aprovado, documentos originais de identificação (próprios e de membros da família), comprovantes de residência, de conclusão do ensino médio, de rendimentos e, quando for o caso, de separação, divórcio ou morte dos pais, pagamento de pensão alimentícia, de professor da educação básica e de deficiência. A lista de documentos pode ser consultada on-line, na página do ProUni.

 

Protocolo

Ao receber a documentação do candidato, a instituição deve, obrigatoriamente, entregar o protocolo de recebimento. Quem não foi pré-selecionado e quiser participar da lista de espera tem os dias 7 e 8 de março para se manifestar. A relação dos participantes será divulgada no dia 10 do mesmo mês. Para esses candidatos, a comprovação das informações deve ser feita nos dias 13 e 14.

 

Inscritos

Esta edição do ProUni teve 1.535.042 candidatos inscritos na primeira chamada. Como cada um pôde fazer duas opções de curso, o número de inscrições chegou a 2.976.550. No total, foram ofertadas 214.242 bolsas em 13.521 cursos, distribuídos em 1.065 instituições de todo o Brasil. O número é o maior desde a criação do programa, em 2004, e representa crescimento de aproximadamente 5% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram oferecidas 203.602 bolsas. Este ano, foram registrados 7,16 candidatos por vaga. (Assessoria de Comunicação do MEC).

 

Brasil Alfabetizado

O Ministério da Educação prorrogou até 6 de março as inscrições do programa Brasil Alfabetizado, inicialmente previstas para terminar nesta segunda-feira, 20. De acordo com a titular da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do MEC, Ivana de Siqueira, a prorrogação do prazo permite aos gestores municipais ampliar as condições para a adesão.

 

Oportunidades

Está prevista a oferta de 250 mil oportunidades educacionais a jovens com 15 anos ou mais, adultos e idosos que não tiveram acesso à educação básica ou nela não puderam permanecer. O Ministério da Educação vai repassar R$ 132 milhões em recursos para despesas com material didático e pedagógico, formação de profissionais, alimentação e transporte dos estudantes.

 

Processo de adesão

No processo de adesão, pelo endereço eletrônico cgalfa@mec.gov.br, estados, Distrito Federal e municípios devem apresentar os projetos, com informações sobre quantidade de alunos e alfabetizadores, e explicar como se dará a formação, de que maneira estarão organizadas as turmas e como pretendem usar os recursos. Os modelos da documentação podem ser solicitados pelo mesmo endereço eletrônico.

 

Febre chikungunya

Pesquisadores do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) constataram que a febre chikungunya, além da já conhecida inflamação das articulações, que dificulta a locomoção das pessoas contaminadas, pode provocar lesões vasculares irreversíveis. A pesquisa começou a ser feita em março de 2016, quando cirurgiões vasculares passaram a observar o inchaço das pernas em pacientes infectados pelo vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

 

Pioneirismo

Até então, não havia disponível na literatura médica a associação desse sintoma com a doença. Estudos mais detalhados da equipe confirmaram as suspeitas e a associação, pela primeira vez, da lesão dos vasos linfáticos com a febre chikungunya e comprovaram uma nova manifestação clínica. O trabalho é pioneiro no mundo. Para ser realizado, envolveu 32 pacientes, entre 30 e 80 anos — não foi identificada, ainda, uma população de risco. A pesquisa, apresentada no 14º Congresso Brasileiro de Flebologia e Linfologia, em São Paulo, recebeu o prêmio de melhor trabalho.

 

Diretrizes de Direito

O Conselho Nacional de Educação (CNE) trabalha na revisão das diretrizes nacionais curriculares do curso de direito e recebeu na última terça-feira, dia 14, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). As mudanças no texto da Resolução CNE/CES nº 9/2004, que dispõe sobre as diretrizes, vêm sendo feitas desde outubro de 2015.

 

Propostas

A OAB propôs acréscimos em temas como interdisciplinaridade, internacionalização, eixos de formação (fundamental, profissional e prática), relações étnico-raciais, indígenas e de gênero, tempo de conclusão e mudanças decorrentes da profissão em virtude da evolução tecnológica. O parecer da comissão da CES com o resultado das sugestões deve ser remetido ao MEC entre os meses de maio e junho. O atual conteúdo da Resolução CNE/CES nº 9/2004, que contém as diretrizes curriculares do curso de direito e que está em revisão, pode ser acessado na página eletrônica do CNE. (Assessoria de Comunicação Social, com informações do CNE).

 

Ressocialização dos presídios

Em João Pessoa, Paraíba, a Secretaria de Administração Penitenciária, iniciou um trabalho de ressocialização nos presídios. As atividades incluem trabalho, esporte, cultura e educação. Na Penitenciária de Segurança Máxima Criminalista Geraldo Beltrão, por exemplo, dispõe de um sistema de ensino no qual as celas foram transformadas em biblioteca e salas de aula, de forma a proporcionar a ressocialização por meio da leitura e do estudo. Atualmente, ali são oferecidos o ensino fundamental e o médio.

 

Vinculados à rede pública

Os professores são vinculados à rede pública estadual de ensino, e as aulas são ministradas dentro da unidade prisional, que conta atualmente com 232 pessoas em cumprimento de pena. Cerca de 80 estão matriculadas na educação básica. Em 2016, 50 participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e 11 entraram no Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

 

Enem

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), o Enem contou, no ano passado, com a participação de 54.358 pessoas privadas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa em todo o país. Na Paraíba, foram 930 inscritos. Ou seja, aproximadamente 1,7% do total de participantes. As provas foram aplicadas em 51 unidades, indicadas pelos órgãos prisionais e socioeducativos, em 35 municípios paraibanos.

 

 Maringá, 21 de Fevereiro de  2017.

 

 

Assessoria de imprensa SINEPE/NOPR.

	Array
(
    [0] => No page with id root
)